A nova Base Integrada Fluvial Antônio Lemos partiu na tarde desta quinta-feira (21) de Belém com destino ao Arquipélago do Marajó, onde garantirá mais segurança aos moradores da região. Construída em ferro, a Base tem quatro níveis: porão, dois convés e tijupá (cobertura). Já está totalmente mobiliada e em breve entrará em funcionamento.

Com a Base Integrada Fluvial, o governo do Estado conclui mais um investimento histórico na garantia da segurança pública, atendendo a um anseio antigo da população do Marajó, em especial dos que transitam pelo estreito do Rio Tajapuru, informou Ualame Machado, secretário de Estado de Segurança Publica e Defesa Social.

“Concluímos 100% a parte flutuante da Base Integrada, e estamos encaminhando hoje ao município de Breves, onde poderá ser visitada pelos habitantes, e depois seguirá para o distrito de Antônio Lemos, onde será instalada como Base, não só fiscalizando as embarcações, mas também garantindo a segurança da região com suporte de duas lanchas, dentre elas, uma blindada. O governo está investindo mais de R$ 5 milhões nessa obra, e entrega um pedido histórico para aquela região, que é a garantia da segurança pública com fiscalização de toda a malha hidroviária do Arquipélago do Marajó”, frisou o titular da Segup.


No tijupá estão instalados os painéis fotovoltaicos, aparelhos flutuantes, condensadores, caixa d’água e mirante inferior e superior – Foto: Maycon Nunes/Agência Pará

 

Área estratégica

Com investimento de mais R$ 5 milhões de recursos do Tesouro Estadual, a estrutura vai ampliar a fiscalização na malha fluvial do Pará, especialmente em uma área considerada estratégica para a segurança pública, por ser um corredor histórico de transporte de drogas, contrabando, pirataria e crimes ambientais.

A primeira Base Integrada Fluvial Antônio Lemos ficará aberta à visitação por dois dias, no próximo final de semana, e depois seguirá para o Distrito de Antônio Lemos, onde será instalada à margem direita do Rio Tajapuru. A Base reunirá todos os órgãos de Segurança Pública do Estado, bem como órgãos de fiscalização ambiental e alfandegários, tanto da esfera estadual quanto municipal.

A integração entre as forças é o principal diferencial do projeto, que objetiva concentrar esforços de segurança pública e fiscalizações, a fim de monitorar e verificar as atividades desenvolvidas na área fluvial do Pará, em específico nas rotas de embarcações oriundas de todo o território paraense, e dos estados do Amapá e Amazonas.

 

Estrutura

O porão da Base Fluvial abrigará dois geradores de energia, sistema de tratamento de esgoto sanitário, tanques de óleo diesel e espaço para armazenamento de carga. Já o convés principal conta com recepção, sala de atendimento, banheiros, celas temporárias (masculina e feminina), seis salas de escritório com capacidade para 23 pessoas e sala para reunião.

O convés superior é formado pela copa, refeitório, espaço de convivência, banheiros e dormitórios para 25 pessoas. No tijupá estão instalados os painéis fotovoltaicos, aparelhos flutuantes, condensadores, caixa d’água e mirante inferior e superior. Cada estrutura foi construída de forma adaptada para a realidade do local, podendo contar com infraestrutura terrestre de apoio.

 

Fonte: Agência Pará
Foto: Marco Santos/Agência Pará