Ativista pela legalização da canabis, o ator Ricardo Petraglia, de 71 anos, revelou que a maconha foi sua “porta de saída” para todas as outras drogas que usava na década de 80.

Ao falar abertamente sobre o assunto, o ator contou que passou a usar a erva após ser diagnosticado com hepatite C, por conta do compartilhamento de drogas.

“Até 1985, eu era um drogado. Nunca fui de beber, mas cheirava, injetava, tomava ácido, fazia de tudo. Aí fui doar sangue para uma pessoa e descobri que tinha hepatite C, que peguei pelo compartilhamento de drogas. Então, parei com todas elas, me impus isso. Ou eu morreria ou optaria pela vida. A maconha foi a porta de saída para todas as outras drogas, uma válvula de escape. Eu já fumava antes também”, contou ele, ao jornal Extra.

À publicação, Ricardo explicou que começou a plantar a canabis em casa em 2005 após conseguir um habeas corpus. Ele precisava comprar o óleo da erva, que usava para tratar dores, já que não podia tomar analgésicos e anti-inflamatórios, por conta da hepatite.

“Em 2005, eu fiz uma operação coxofemoral para colocar uma prótese. Isso desequilibrou a minha coluna e comecei a ter dores inacreditáveis. Não podia tomar os analgésicos e anti-inflamatórios, por conta da hepatite. E meu médico perguntou por que eu não experimentava canabis. Respondi: ‘car****’, eu experimento todo dia’ (risos). Então, fui buscar o óleo, mas custava uma fortuna e ainda custa. Meu salário do INSS pagaria dois vidrinhos. Aí entrei com um processo para poder plantar, alegando que não tinha condições econômicas de comprar o remédio e assim consegui um habeas corpus. Desde então, a minha vida está tranquila”, continuou.

O ator defende que o uso da maconha no tratamento pode ser de diversas formas:

“Todo uso é medicinal e terapêutico. É a mesma planta. Você pode fumar, vaporizar, fazer uso tópico com pomadas, via oral com o óleo ou na comida, como supositório anal ou vaginal, que costuma ser usado para cólicas menstruais. Tem gente que diz: ‘Que medicinal, que nada! Olha o baseado na boca dele’. Mas o baseado é medicinal”, ressaltou.