O Hans Brinker é chamado na internet de “o pior hotel do mundo”, um título que o próprio hostel já utilizou em campanhas de marketing. “Aqui, você recebe o que paga. E porque você não paga muito, você não vai ter nenhuma das seguintes coisas: piscina, serviço de quarto, suítes de lua de mel, academia, frasquinhos de xampu, banheira de hidromassagem ou mensageiros com chapéus bobos”, informa a empresa de hospedagem holandesa.

Há diárias no hostel custando 20 euros, para estadia em quartos compartilhados que recebem até 8 pessoas. E 30 euros para quartos individuais.A frase do título é uma das mensagens nada empolgantes que o hostel Hans Brinker, localizado na cidade de Amsterdã, estampa em sua página na internet. Sugerir que o hóspede não tenha lá muitas expectativas é, realmente, nada animador, mas condizente com a maneira que o estabelecimento adotou para se promover.

As acomodações compartilhadas são extremamente básicas, com apertados beliches de metal, magros armários também de metal e quase nenhuma decoração — e pensadas principalmente para mochileiros que, em Amsterdã, só estão buscando um lugar barato para dormir e para fazer amizade com outros viajantes. Mas, fora dos quartos, até que o hostel conta com uma boa infraestrutura em suas áreas sociais, mesmo não tendo piscina, academia, sauna ou a presença de mensageiros com chapéus engraçados.

“Em nosso edifício, há um bar, área de jogos e um espaço para refeições em grupo. Há também um grande pátio que fica no centro do hostel, onde as pessoas podem fumar e apreciar uma cerveja”, explica Sage Scott, gerente do Hans Brinker. “E temos um bar no andar de baixo que chamamos de discoteca e que pode ser usado para eventos como festas temáticas e música ao vivo. O espaço fica aberto até as 4 da manhã para os hóspedes aos fins de semana”…. – Veja mais em https://www.uol.com.br/nossa/noticias/redacao/2022/11/08/o-pior-hotel-do-mundo-esta-em-amsterda-venha-com-baixas-expectativas.htm?cmpid=copiaecola
Mal localizado, uma vez que não se encontra próximo dos melhores transportes da cidade. Quartos super pequenos. Casa de banho mínima.
Falta enorme de higiene, uma vez que os quartos ou não são limpos, ou quando são, a limpeza é deficiente. Encontrei pacotes de pastilhas debaixo da cama e garrafas de água de outros hóspedes.
Ficámos no último andar, o que significa a subida de 5 andares de escadas íngremes e super perigosas para a saúde e para potências quedas.
Tubos da água quente do aquecimento com temperaturas elevadas sem qualquer tipo de proteção nós mesmos.

Nada simpáticos e nem ajuda para a descida da mala pelas perigosas escadas foi oferecida por qualquer um dos colaboradores do hotel.

O interior do quarto parecia uma autêntica barraca ou o quarto de um bairro da lata.

Resumindo, mau demais para ser verdade.

Não aconselho a absolutamente ninguém.

É barato e pouco mais…

Mostrar menos

Data da estadia: outubro de 2022
Tipo de viagem: Viajou com amigos